Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com o uso de cookies.

O Boneco de Neve (Snemanden)

Escrito por: Hans Christian Andersen

LER

Em um dia de inverno qualquer, depois de ter nevado muito, um boneco de neve surgiu no centro da praça. Ele estava adorando aquele tempo. Fazia muito frio – Que delícia! Contudo, ele sentia algo queimar internamente! Sentia que a cada rajada de vento frio a vida vibrava dentro dele. Ao mesmo tempo o sol o fustigava de longe durante o dia e a lua durante a noite. O boneco de neve pensava que o sol queria fazê-lo piscar o que não seria possível. Ele pensava ser mais forte que o sol e poderia olhá-lo de frente e bem firme.

O sol se pôs, a lua cheia nasceu, redonda e grande, clara e adorável no céu azul.
"Cá estamos nós de novo cada um em seu lugar, mas distantes!" disse o boneco de neve. Ele pensou que o Sol reaparecera. "Acostumei-me a ficar olhando! Agora ela pode ficar pendurada e iluminar para que eu possa me ver. Ela anda de um lugar para outro. Eu simplesmente não sabia como correr! Eu queria tanto correr! Vi os meninos fazerem; mas eu não sei correr!

"Fora! Fora!" latiu o velho cachorro; ele estava um pouco rouco, não era mais o cachorro doméstico que podia se aquecer sob o fogão de azulejos. "O sol provavelmente vai te ensinar a correr! Eu vi isso com o seu precedente no ano passado e com o precedente dele; fuja, fuja! Fuja! Todos se foram!"
"Eu não te entendo, camarada!" disse o boneco de neve; "aquela lá em cima deveria me ensinar a correr?" Ele se referia à Lua; "sim, ela correu quando eu olhei para ela seriamente, talvez ela seja o sol do outro lado!"
"Você não sabe nada!" disse o cão acorrentado, "mas você também surgiu recentemente! Aquela que você vê agora se chama Lua, aquele que foi embora foi o Sol, ele voltará amanhã, provavelmente irá ensiná-lo a correr para o fosso. Em breve teremos uma mudança no clima "Eu posso sentir na minha pata traseira esquerda. Vamos ter uma mudança no clima!"

"Eu não o entendo!" disse o boneco de neve, "mas tenho a sensação de que é algo desagradável, ele diz. Aquele que brilhou e desceu, como chama? Sol, ele também não é meu amigo, tenho o pressentimento!"
"Fora! Fora!" latiu o cachorro da coleira, deu três voltas em torno de si e deitou-se para dormir.

De fato, houve uma mudança real no clima. Uma névoa, tão espessa e úmida, se estabeleceu pela manhã sobre toda a área; o vento estava tão gelado que o gelo se apoderou de tudo, mas era um espetáculo para ser visto quando o sol nascia. Todas as árvores e arbustos estavam congelados; era como uma floresta inteira de corais brancos, era como se todos os galhos estivessem cobertos de flores brancas radiantes. Os infinitos e finos ramos, que não podem ser vistos no verão por causa das muitas folhas, agora brotam em cada uma das pontas; era uma renda. Um branco brilhante fluía de cada galho. A bétula pendurada movia-se com o vento, havia vida nela, como nas árvores no verão; foi uma delícia incomparável! Quando o Sol brilhou, tudo cintilou, como se fosse pulverizado com pó de diamante, e sobre as camadas de neve da terra brilharam os grandes diamantes, ou pode-se também pensar em inúmeras pequenas luzes acesas, mais brancas do que a neve branca.

"O frio é bom!" disse o boneco de neve. "Diga, diga! Mas não chacoalhe com a corrente, pois então ela se quebrará em mim!"
"E por que você a deixou?" perguntou o boneco de neve. Sua intuição o alertava para um ser feminino. "Por que você poderia deixar um lugar assim?"

"Eu não deixei!" disse o cão da coleira, "eles me jogaram para fora e me colocaram aqui com uma coleira. Eu tinha mordido um jovem nobre, na perna, pois ele arrancou de mim o osso que eu estava roendo; não tive dúvida: perna por perna, eu acho! Mas, não foi bem assim, o resultado você está vendo, estou aqui fora acorrentado, perdi minha voz clara, ouça como estou rouco: vá embora! foi o fim de tudo! "

O boneco de neve não ouviu mais; ele ainda olhou para o porão da governanta, para a sala de estar dela, onde o fogão à lenha se erguia sobre suas quatro pernas de ferro e parecia do tamanho do próprio boneco de neve.

"Isso soa tão estranho em mim!" ele disse. "Nunca deverei entrar lá? É um desejo inocente, e nossos desejos inocentes com certeza devem ser realizados. É o meu maior desejo, meu único desejo e seria quase injusto se não fosse satisfeito. Devo entrar lá, eu tenho que me entregar a ela mesmo que para isso deva quebrar a janela também! "

"Você nunca vai entrar lá!" disse o cão preso à coleira, "se você chegar perto do fogão de cerâmica, você se vai! Se vai!"

"Vou ficar muito feliz se partir!" disse o boneco de neve, "Eu posso ate me ferir, eu acho!"

"É uma delícia incomparável!" disse uma jovem, que com um rapaz saiu para o jardim e parou bem perto do boneco de neve, estavam olhando as belas árvores. "Você não pode ver nada mais belo no verão!" ela disse, e seus olhos brilharam.

"E não se tem um cara como ele de jeito nenhum!" disse o jovem, apontando para o boneco de neve. "Ele é muito bonito!"

A jovem riu, acenou com a cabeça para o boneco de neve e depois dançou com o amigo na neve, rangendo sob ela como se estivessem andando sobre milhos.

"Quem eram os dois?" o boneco de neve perguntou ao cão da coleira; "você está a mais tempo aqui nessa área, você os conhece?"

"Conheço!" disse o cachorro da coleira. "Ela sempre me dá um tapinha e ele, um osso com carne; nunca vou mordê-los porque eles me tratam bem.!"
"Mas eles estão caminhando de mãos dadas, por quê? "

Nem todo mundo anda assim, mas eles estão noivos, muito em breve morarão em uma casinha e dividirão o mesmo osso; disse o cachorro da coleira.

"Os dois são tão importantes como você e eu?" perguntou o boneco de neve.
"Eles pertencem ao senhorio!" disse o cachorro da coleira; "dói muito saber quando você nasceu a vida era outra, muito melhor! Tenho idade e conhecimento, conheço todo mundo aqui na cidade! Vivi em uma época em que não ficava aqui no frio acorrentado; fora! fora!

"Fora! Fora!" latiu o cachorro da coleira. "Eu fui um cachorrinho; pequeno e adorável", diziam eles, eu podia deitar-me em uma cadeira de veludo no quintal ou, no colo do senhor da casa; "um mascote", mas então eu cresci! Fui mandado para os aposentos da governanta; no porão! Você pode ver daqui o quarto. Era provavelmente um lugar inferior se comparado ao andar de cima, mas era confortável; não era mais abraçado e arrastado pelas crianças como antigamente. Minha comida era tão boa quanto antes e muito mais! Tinha meu próprio travesseiro, e depois tinha um fogão de ladrilho, nesse momento o mais lindo neste mundo! Quando sentia frio, rastejava para debaixo do fogão e ficava ali me aquecendo. Oh, aquele fogão de ladrilhos... ainda sonho com ele, mas agora o perdi!

"Parece um fogão de cerâmica tão bom!" perguntou o boneco de neve. "Parece comigo?"

"É exatamente o oposto de você! Negro de carbono é isso! Tem um pescoço longo com um tambor de latão. Ele come lenha para que o fogo fique fora de sua boca. Você pode ficar ao lado dele, perto, embaixo isso, "é um prazer infinito! Você pode vê-lo atreves da janela onde você está!"

E o boneco de neve olhou para dentro do aposento e de fato ele viu um objeto preto polido com um tambor de latão; o fogo brilhou abaixo. Imediatamente o boneco de neve sentiu uma sensação estranha; ele tinha a sensação de que não poderia explicar para si mesmo; algo se apoderou dele, mas não sabia, o quê. Todos os homens sabem quando não são bonecos de neve.

"Mas o que você está imaginando aqui?" perguntou o boneco de neve.
"Eu não posso suportar!" ele disse. "Como é bom ver aquela língua de fogo tão quente, tão brilhante, mas ao mesmo tempo triste.

A noite foi muito longa, mas não para o boneco de neve, seus pensamentos giravam e eram simplesmente adoráveis, mas por ser um boneco de neve eles congelaram.

De manhã, as janelas do porão estavam congeladas, elas exibiam as mais belas flores de gelo que qualquer boneco de neve poderia pedir, mas esconderam o fogão de ladrilhos. As janelas não derretiam, ele não podia vê-lo. A lenha dentro do fogão rangia, estalava... lá fora tudo estava gelado! Isso deveria agradar a um boneco de neve, mas ele não gostou; ele poderia e deveria ter se sentido tão feliz, mas ele não estava feliz, ele tinha saudades do fogão de ladrilho.

"É uma doença ruim para um boneco de neve!" disse o cachorro da coleira; "Eu também estive um pouco doente, mas já superei! Fora! Fora! - Agora vamos mudar de clima!"

E houve uma mudança de clima, aconteceu o que chamamos de degelo.

O degelo chegou e o boneco de neve se foi... Ele não disse nada, não reclamou e esse é o sinal certo.

Uma manhã ele caiu. Algo como um ancinho estava preso ao chão onde ele estivera, os meninos o construíram em torno desse cabo.

"Agora posso entender a saudade dele!" disse o cão da coleira, "o boneco de neve tinha um ancinho em sua vida! foi ele quem se moveu nele, agora acabou; se foi! se foi!"

E logo o inverno acabou também.

"Afaste-se, afaste-se!" latiu o cachorro da coleira; mas as meninas da cidade cantavam na praça:

"Atire, lenhador! Forte e prudente,
Pendure a flecha! Suas luvas de lã para fora,
venham, galos, cotovias! cantem,
a primavera chega no final de fevereiro!
Eu canto junto, cuco!
Venha, querido sol, venha sempre! "

Então ninguém mais se lembrava do boneco de neve!

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®