Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com o uso de cookies.

Pequenas Pinturas, Poucas Palavras, Muitas Leituras

Escrito por: Hans Christian Andersen

Era uma vez a primeira noite...

Longe daqui”, disse a lua, “há um castelo, grande e magnífico, com quadros de mármore na parede e tapetes ricos nas amplas escadas e corredores, com ricos tesouros de arte. Havia uma agitação intensa nesse lugar. Procurei pela causa e descobri que o rei estava em uma cama, em um quarto de dormir. Enquanto dormia, disseram, o sono o fortalecerá e melhorará, mas ele não dormia, vi o que os outros não podiam ver; no meio da cama esplêndida, no peito do rei pálido, a própria morte se afigurava, todos a seu redor o olhavam fixamente e aguardavam o desenrolar dos acontecimentos. Médicos, ministros, pessoas da família todos estavam ali. Enquanto isso o rei moribundo deixava passar por sua mente, como a um filme, tudo que havia feito em sua vida, principalmente coisas ruins, das quais ele se arrependera, mas não havia tempo para eliminar o mal. Havia tanto silêncio na sala que nenhuma palavra foi dita. Gotas de sangue e suor escorriam da testa do rei! “Eu escorreguei pelas montanhas! – disse a lua – “Eu desenhei a imagem, um poeta se sairá melhor e o pintor poderá dar cores, cores ardentes que vão até fundo da alma, provocando a mesma sensação dos contos de fadas, disse a Morte ao Rei. “

Para continuar lendo clique no botão BAIXAR e veja todas as noites;

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®